Nova fábrica contrata funcionários e começa a operar em Manaus a partir de abril

A Termomecanica, líder no setor de transformação de metais, investiu R$ 8 milhões para viabilizar nova unidade no Polo Industrial de Manaus

Uma nova fábrica que deve começar a operar a partir de abril no Polo Industrial de Manaus (PIM) abriu prazo para contratação de funcionários. É a Termomecanica, líder no setor de transformação de metais não ferrosos, cobre e ligas. Para implantar a nova unidade produtora, com infraestrutura e equipamentos, o grupo investiu recursos da ordem de R$ 8 milhões.

“Já houve contratações de seis funcionários mais o staff da Termomecanica de São Paulo prestando serviços para as respectivas áreas, de estrutura matricial”, informou a empresa, por meio de nota. “Mas serão abertas (em Manaus) vagas para as áreas de Produção, Qualidade, Laboratório, Logística e Manutenção. O número de funcionários planejado é de 22 alocados em Manaus”, divulgou o grupo.

Para se candidatar a uma das vagas e participar do processo de seleção, é necessário cadastrar informações pessoais e currículo profissional no site da Termomecanica, através do link: https://bancotalentos.termomecanica.com.br/.

“A nossa nova unidade cria condições para que a empresa passe a atender com mais agilidade e preços competitivos principalmente os fabricantes do setor de refrigeração, que em grande parte se concentram na região”, divulgou a Termomecanica. A expectativa do grupo é que a partir de 2018 esteja usando 100% da capacidade instalada, atingindo a produção de 150 toneladas mensais de insumo para atender a indústria de refrigeração.

De acordo com o diretor industrial da Termomecanica, Carlos Alberto Legori, embora a empresa já tenha um market share significativo no segmento, a nova unidade produtiva aproxima a companhia da meta de abastecer 100% do mercado nacional, que hoje ainda importa parte desses insumos.

“A Termomecanica da Amazônia facilita muito a logística de entrega de produtos, reduz custos e nos deixa muito mais competitivos para a entrega de produtos com a mesma qualidade que os fabricados em nossas plantas em São Bernardo. Os clientes ainda têm o benefício de não precisar manter grandes estoques para atender às suas necessidades. A reserva poderá ficar armazenada em nossa própria planta”, explica.

Quinta fábrica

O carro-chefe da linha de produção da Termomecanica Amazônia será o tubo de cobre ranhurado, que possui aplicação na fabricação e instalação de sistemas de refrigeração e ar-condicionado, assim como de compressores, linha branca, refrigeradores comerciais, evaporadores, trocadores de calor, conexões, purificadores de água, entre outros.

Esta é a quinta fábrica da Termomecanica, que conta ainda conta com duas unidades em São Bernardo do Campo (SP), uma no Chile e uma na Argentina, além de um Centro de Distribuição em São Bernardo do Campo (SP) e outro em Joinville (SC). Ao todo são dois mil empregados trabalhando para o grupo.

“Nesses últimos anos, mesmo com as incertezas políticas e econômicas, fizemos questão de investir em tecnologia, novos processos e treinamentos dos funcionários para aprimorar ainda mais a qualidade dos produtos e do atendimento prestado ao cliente. Em 2016, apostamos inclusive em uma nova linha de Alumínio, que por conta da versatilidade e variedade de aplicações que comporta é uma excelente alternativa ao cobre. Tudo isso nos preparara para a desejável retomada da economia”, disse Pedro Torina, também diretor da empresa.

Termomecanica

A Termomecanica, uma das maiores indústrias privadas brasileiras, é líder no setor de transformação de metais não ferrosos, cobre e ligas em produtos semielaborados e produtos acabados. Fundada em 1942, com um capital de 200 dólares, pelo engenheiro Salvador Arena, é altamente capitalizada, com um patrimônio líquido avaliado em mais de 800 milhões de dólares.

Fonte: A Crítica

Sindmetal-Am verifica irregularidades na Samsung, LG, Calcomp e Moto Honda

Samsung

O Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas (Sindmetal-Am) constatou que os trabalhadores demitidos da Samsung não estão recebendo PLR de 2015 e 2016. “O sindicato vai abrir um espaço com a empresa para que ela atenda todos os trabalhadores que até agora não receberam o valor da PLR”, disse Santana.

LG

Os planos de saúde entre gerentes, supervisores e produção na empresa LG são diferenciados em função da posição hierárquica dos empregados. Para o presidente do Sindmetal-Am, Valdemir Santana, esta última situação trata-se de uma ação discriminatório por parte da empresa. “Isso é discriminação! O empregador não pode oferecer plano de saúde melhor para um empregado e pior para o outro considerando o cargo ocupado na empresa”.

Calcomp

Na empresa Calcomp os trabalhadores estão chegando na empresa as 6h da manhã e iniciando a jornada de trabalho às 7h30, fazendo horas extras, de acordo com o presidente do sindicato, Valdemir Santana “a empresa precisa explicar porque está acontecendo isso, independente do cargo que o trabalhador ocupe, seja ele na linha de produção ou nos cargos de níveis mais altos, a carga horária é de 8 horas diárias e 44 horas semanais”.

Moto Honda

Os trabalhadores da Moto Honda denunciaram a terceirização irregular no setor de almoxarifado da empresa, o que acarreta um golpe sobre os direitos dos trabalhadores assegurados pela legislação do trabalho. O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas, Valdemir Santana informa aos trabalhadores que ainda nesta semana o sindicato estará entrando em contato com a Moto Honda para que todos os trabalhadores que estão nesta situação sejam contratados diretos pela empresa, garantindo assim os direitos trabalhistas de cada trabalhador.

Segundo ele, o sindicato irá apurar todas as denúncias realizadas pelos trabalhadores ainda nesta semana.

Veja como foi a reabertura do Clube do Sindicato dos Metalúrgicos neste fim de semana

No domingo, 19/03, aconteceu a reabertura do Clube do Sindicato dos Metalúrgicos, a festa foi animada com a presença do Grupo Joia Rara, do Forrozão Ostentação do Forró e nos Intervalos o DJ Wenderson, toda essa animação sob a apresentação de Rick Santos que alegrou o domingo de inúmeros trabalhadores. O local ficou sem atividade por alguns meses,  mas reabriu, sendo ideal para passar agradáveis momentos em harmonia com a bela paisagem, além do lazer de toda a família.

Agora, todos os trabalhadores interessados por frequentar o ambiente devem respeitar os seguintes requisitos:

  • Nos finais de semana e feriados, o acesso é livre a todos, porém, não é permitido a entrada de pessoas com alimentos e bebidas.
  • Solicitar à administração do Sindicato permissão para realização de eventos, quando for o caso.

A Direção do Sindicato não cobra valor algum para a entrada no balneário. Portanto, também não é permitido que terceiros cobrem qualquer tipo de taxa para os frequentadores quando da realização de eventos.

O local, com todos os seus atrativos, está disponível para lazer dos trabalhadores e seus familiares.

Manaus parou contra reformas de Temer

“Com essa reforma da previdência você trabalha até morrer ou morre trabalhando!” Essa foi a palavra de ordem que animou a manifestação realizada nesta quarta-feira, 15/03, que paralisou o Centro de Manaus. Mais de cinco mil pessoas se deslocaram em passeata da Praça do Congresso por volta das 15 horas até a Avenida Sete de Setembro, onde o ato foi encerrado às 19 horas, atendendo ao chamado das centrais sindicais.

Durante todo o dia aconteceram eventos e manifestações contra as reformas trabalhista, previdenciária e do ensino médio. Fábricas do Polo Industrial de Manaus (PIM) foram paralisadas por uma hora no início da manhã, o mesmo acontecendo em unidades da Petrobrás. Professores e alunos de muitas escolas da rede pública também paralisaram suas atividades por todo o dia.

A vice-presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM), Cátia Cheve, disse que o movimento marca a retomada das lutas populares no Amazonas, depois de um período em que a população parecia confusa diante dos acontecimentos. “Agora os trabalhadores e o povo parecem ter mais clareza sobre as graves consequências das mudanças que o governo golpista quer fazer”, destaca Cátia Cheve.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Material Plástico, Francisco Brito, avaliou que as manifestações, desde o último dia oito – quando se comemorou o Dia Internacional da Mulher, estão mostrando ao governo que as reformas não serão aceitas pelos trabalhadores. “O governo Temer vai ter que rever essas mudanças, porque a reação nas ruas está apenas começando”, diz Brito.

Parou Geral

Fazia muito tempo que não se via as ruas do Centro da cidade, em plena tarde de quarta-feira, tomada por estudantes, trabalhadores do Polo Industrial, servidores públicos e  diversos movimentos sociais reagindo contra mudanças na Constituição e na legislação  trabalhista. O dia da Greve Geral convocada pelas centrais sindicais terminou com a concentração às 15 horas na Praça do Congresso e uma passeata que teve seu auge no cruzamento das avenidas Leonardo Malcher e Constantino Nery. Por volta das 16 horas, motoristas do transporte público urbano aderiram a paralisação, fechando os principais acessos ao Centro Histórico de Manaus.

O ato foi organizado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Nova Central Sindical e Conlutas.

Fonte: Panorama Sindical

Demissões diminuem 200% no Polo Industrial de Manaus

O Polo Industrial de Manaus (PIM) registrou uma queda de 212% nas demissões no primeiro bimestre deste ano. Ao todo, foram desligados 2.075 funcionários, sendo 637 em janeiro e 1.438 em fevereiro. No mesmo período do ano passado, foram registradas 4.490 demissões no setor, sendo 2.239 em janeiro e 2.251 em fevereiro.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Estado do Amazonas (Sindmetal-AM), Valdemir Santana, informou que a classe trabalhadora aguarda o reestabelecimento da economia.  Os atos públicos em todo o Brasil, inclusive em Manaus, manifestam repúdio contra a reforma da Previdência e a Lei da Terceirização que deve acentuar ainda mais o desemprego no país.

“O nosso Estado, infelizmente, não possui uma política industrial consolidada, então continua perdendo emprego com a crise e pode perder ainda mais com essas medidas. Nessa situação, ainda não vejo muita luz no fim do túnel”, criticou.

Valdemir disse também que nos últimos 2 anos já foram quase 65 mil demissões dentro do complexo fabril local. O desemprego também é refletido fora das fábricas, porque para cada emprego direto gerado dentro das indústrias, são gerados até quatro externamente, aumentando ainda mais o número total, que pode chegar a 250 mil desempregados no setor.

O presidente do Sindmetal explicou como algumas contratações pontuais não têm efeito no saldo de empregados. “As empresas demitem pessoas com salário alto e contratam outras com o mesmo cargo, mas com salário mais baixo. Então é como trocar seis por meia dúzia, é uma atividade que não gera nenhum efeito nos números gerais”, declarou.

Recuperação

O presidente do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), Wilson Périco, disse que algumas empresas ainda estão precisando fazer ajustes e, por esse motivo, as demissões continuam, porque atividade da indústria segue retraída. “O consumidor ainda está muito receoso em adquirir os produtos do PIM e isso é um reflexo do momento socioeconômico que estamos passando em nosso país”, apontou.

Périco tem esperança na recuperação da economia nacional para reerguer a indústria do Amazonas. Segundo ele, é evidente que algumas empresas buscam aumentar seus quadros de funcionários, mas essa balança ainda continua com saldo bastante negativo. “Vamos acompanhar de perto e esperar que se estabilize logo o mercado inteiro para manter o número de empregos e resgatar a confiança do consumidor, para depois pensarmos em aumentar a atividade e gerar mais empregos”, finalizou.

Fonte: EM TEMPO

Na luta contra a reforma da previdência, movimentos ocupam Ministério da Fazenda em Brasília

Mais de 1.500 pessoas ocuparam na madrugada desta quarta-feira (15/03) a sede do Ministério da Fazenda, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. A ação faz parte do Dia Nacional de Mobilização e Paralisação Contra a Reforma da Previdência, organizada por movimentos sociais do campo e da cidade que integram as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

A perda de direitos e os retrocessos promovidos pelo governo Temer são os principais motivadores da ocupação, que tem sua centralidade na luta contra a reforma da previdência, enviada pelo presidente Michel Temer em dezembro do ano passado.

O governo alega que existe um rombo na previdência fiscal, o que já foi desmentido pelo DIEESE e também por especialistas em auditoria, como a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil. Enquanto o governo justifica a reforma com o déficit, aplica desonerações fiscais às empresas, não combate efetivamente sonegação fiscal e perdoa a dívida de centenas de empresas que devem três vezes o valor do déficit ao INSS.

A ocupação é realizada por movimentos da Via Campesina Brasil, MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens, MMC – Movimento das Mulheres Camponesas, CONAQ – Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Quilombolas, MTD – Movimento dos Trabalhadores por Direitos, MLT – Movimento de Luta pela Terra, MTST – Movimento dos Trabalhadores Sem Teto e conta com o apoio de professores da base do Sinpro/DF e de trabalhadores de diversas categorias da base de sindicatos da CUT.

A Contag – Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura também se somará à ocupação com mais de 2 mil trabalhadoras e trabalhadores rurais.

 

Dia Nacional de Mobilização

As atividades contra a reforma da previdência proposta pelo presidente Michel Temer mobilizam nesta quarta-feira (15/03) milhares de pessoas em todo o Brasil. O tema foi o eixo principal das mobilizações do 8 de março, Dia Internacional da Mulher, e é o mote do dia de mobilização e paralisações que acontece em todas as capitais e diversas cidades.

Em Brasília, a concentração do ato inicia a partir das 8 horas, na Catedral, onde os manifestantes devem seguir até o Ministério da Fazenda e se somar à ocupação.

Este é o primeiro ato do ano realizado em conjunto pela Frente Brasil Popular, Frente Povo Sem Medo e o fórum das centrais sindicais.

Diversos sindicatos também realizarão assembleias e atos nas categorias, sendo que a maior mobilização prevista será a dos professores e trabalhadores da educação que, segundo a CNTE, deve contar com a participação de milhões de trabalhadores em todo o Brasil.

Fonte: MST

Novas liminares tentam destituir diretorias sindicais nos próximos dias

Presidentes de todos os pequenos, médios e grandes sindicatos de trabalhadores do Amazonas, estão agendando uma reunião com a Procuradoria Regional do Trabalho (PRT), para denunciar um grupo de advogados liderado pelo especialista em ação de destituição de diretorias sindicais, Amadeu Maués, sempre às vésperas do depósito do imposto sindical.

Os presidentes também devem ir à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AM), formular uma denúncia contra o advogado Amadeus Maués por falta de decoro, ética profissional e crime contra o patrimônio dos trabalhadores. Maués é o mentor de várias peças de destituição de diretorias sindicais em 2015 e 2016, entre elas, a do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Especial (Sindespecial) por duas vezes, dos Vigilantes, dos Rodoviários por duas vezes e, a maior delas, a do Sindicatos dos Metalúrgicos, no final de setembro de 2016.

Com um detalhe. As destituições das diretorias desses sindicatos sempre foram feitas ás vésperas do depósito do imposto sindical e, em plantões judiciais de final de semana. Quando Amadeu consegue, por meio judicial, eleger uma Junta Governativa de sua confiança, para dirigir a instituição sindical, a primeira coisa que pede ao Juiz é o direito de movimentação das contas bancárias.

Ele é autor da ação que colocou um grupo de empresários e empreiteiros na Junta governativa para dirigir o Sindicato dos Metalúrgicos por dois meses, tempo suficiente para sacarem algo em torno de R$ 1,5 Milhão e saíram sem prestar contas à própria justiça que os colocou lá através de liminar.

O mesmo desfalque foi feito no Sindespecial. De acordo com diretores desse sindicato, eles levaram mais de R$ 400 Mil reais sem prestar contas à justiça. Nos Rodoviários, o prejuízo foi de R$ 1,3 Milhão. Em todos esses sindicatos eles não pagaram trabalhadores do administrativo, água, luz, telefones, impostos e fornecedores.

O advogado Amadeu Maués é um especialista nesse tipo de ação e tem um grupo de advogados e facilidades dentro da Justiça do Trabalho do Amazonas. Por algum motivo ainda não explicado, ele consegue emplacar suas ações, a maioria nos plantões de final de semana.

Existe até gravações, onde ele afirma que tem liminares prontas com juízes, garantindo que em uma determinada data, cairá uma ou outra diretoria sindical através dessas liminares anunciadas e autorizadas por antecedência.

Ações para 2017

Amadeus Maués já iniciou o ano anunciando que tem liminar pronta, garantida por um juiz plantonista, para entrar no sindicato dos Rodoviários. Dos Metalúrgicos, ele até que tentou, mas não conseguiu.

Ontem (13), ele voltou à carga anunciando que vai conseguir um juiz para assinar uma liminar nos próximo dias. Duas delas já caíram. Juízes comprometidos com a ética, desconsideraram as argumentações do “bando” liderado pelo o advogado.
As peças apresentadas são sempre as mesmas. Contém sempre as mesmas argumentações, só muda os nomes dos denunciantes, os nomes das juntas governativas e os dias de entrada nos plantões judiciais.

Fonte: Correio da Amazônia

Saque Contas inativas – MP 763/16 – Informações Gerais

Quem pode sacar

Todo trabalhador que pediu demissão ou teve seu contrato de trabalho finalizado por justa causa até 31/12/2015 tem direito ao saque das contas inativas de FGTS, de acordo com a MP 763/16.

Calendário de pagamento

Confira aqui quando estará disponível o pagamento de contas inativas do FGTS de acordo com a MP 763/16.

​​

TRABALHADORES NASCIDOS EM
INÍCIO

Janeiro e fevereiro

a partir de 10/03/2017

Março, abril e maio

a partir de 10/04/2017

Junho, julho e agosto

​​a partir de 12/05/2017

Setembro, outubro e novembro

a partir de 16/06/2017

Dezembro

a partir de 14​/07/2017

 

Documentos necessários para o pagamento

Para os trabalhadores que pediram demissão ou foram demitidos por justa causa até 31/12/2015, de acordo com a MP 763/2016, deverão ser apresentados os documentos abaixo de acordo com a modalidade de saque escolhida.​

1.       Agências Caixa

​Número de inscrição do PIS/PASEP, documento de identificação do trabalhador e comprovante de finalização do contrato de trabalho (Carteira de Trabalho ou Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho). Para valores acima de R$ 10 mil é necessário apresentar Carteira de Trabalho ou documento que comprove a extinção do vínculo de trabalho, além do documento de identificação.​​​​​

2.       Correspondentes Caixa Aqui e Lotéricas

Documento de identificação do trabalhador, Cartão do Cidadão e senha
​(para v​​​alores até R$ 3.000).

​3.       Autoatendimento

Para v​alores até R$ 1.500,00, o saque pode ser realizado somente com a senha do Cartão do Cidadão e para​ valores entre R$ 1.500,01 e R$ 3.000,00, o saque pode ser realizado com o Cartão do Cidadão e senha.

Canais de atendimento

Agências Caixa

Você também pode se informar sobre as contas inativas – MP 763/16 nas agências da Caixa, que abrirão 2 horas mais cedo nos dias 10, 13 e 14/03.

Encontre uma agência

Agências com horários e dias diferenciados

Mais de 1800 agências estarão abertas no sábado, dia 11/03, das 9h00 às 15h00, horário local, para atendimento exclusivo sobre as contas inativas – MP 763/2016.

Encontre uma delas