nacionalTodos os sindicatos filiados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) estarão realizando atos, em suas categorias, contra as ameaças aos direitos trabalhistas contidas nas Medidas Provisórias 664 e 665, de 2014, anunciadas pelo Governo Federal.

As referidas MPs  retiram direitos do trabalhadores e, somadas ao pacote de ajustes fiscais divulgado no dia 19/01, que restringe crédito, aumenta juros e dificulta a produção, afetam diretamente os direitos e a geração de empregos, colocando o paí9s em uma situação de crise onde só a classe trabalhadora paga a conta.

De acordo com informação da direção da CUT Amazonas, as mobilizações acontecerão nas primeiras horas do dia, nas portas de fábrica, canteiros de obras e nos locais de concentração dos trabalhadores. O presidente da CUT, Valdemir Santana, explica que essa reação acontece em todo o Brasil: “não concordamos com as medidas restritivas e nem com o fato do Governo não ter discutido com as centrais sindicais e representações dos trabalhadores”, diz Santana.

Ele acrescenta que não dá para concordar com aumento do imposto de renda porque daqui a algum tempo grande parte dos trabalhadores estarão pagando esse imposto. “Para fazer justiça social o Governo tem que taxar as grandes fortunas e não os trabalhadores”, aponta Santana.

As atividades promovidas pela CUT e sindicatos filiados fazem parte do Dia Nacional de Lutas promovido, em nível nacional, pela CUT e outras centrais sindicais. Na próxima semana acontecerá em Brasília reunião entre representantes do Governo Federal e centrais sindicais para discutir o assunto. “Vamos até o fim para que a presidenta Dilma cumpra a palavra de que nenhum dos direitos dos trabalhadores será afetado”, diz Valdemir Santana.

Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas, por J. Rosha