Sindicatos em todo país conquistaram reajuste salarial e mantiveram ou ampliaram direitos sociais no trabalho na Campanha Salarial de 2021 dos Metalúrgicos e Metalúrgicas do país.

Os trabalhadores e as trabalhadoras fizeram uma luta árdua com mobilização e diálogo nos locais de trabalho e comprovaram que a negociação coletiva é fundamental para fortalecer a luta da categoria.

Desde a Reforma Trabalhista do ex-presidente Michel Temer (MDB), a classe trabalhadora tem tido grandes desafios, com perdas de direitos e no poder de compra.

A pandemia e o desgoverno de Jair Bolsonaro, pioraram ainda mais a situação e o sindicato entendeu rapidamente que sem a unidade não é possível garantir direitos mínimos, enfrentar os patrões de forma organizada, dialogar com a categoria e mobilizar os trabalhadores para as negociações coletivas.

“A nossa data base do eletrônico e dos Metalúrgicos é agosto e setembro e não foi fácil. O patrão na hora da negociação, na mesa, falou muito na situação do Covid-19 e que não dava para garantir emprego nem aumento para o trabalhador. Pressionamos os patrões e conversamos com os trabalhadores no chão de fábrica sobre a importância do aumento de salário, digno para a gente. ” (Cátia Cheve – Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas (AM) e Vice presidenta da CNM/CUT)

O aumento foi fechado em 11% (onze por cento), sendo que, as fábricas que passam por situação difícil poderão pagar em duas vezes, 50% agora e 50% em abril, no intervalo, cesta básica para os trabalhadores.

Valdemir Santana, presidente do Sindmetal-AM  disse que “a intenção sempre foi negociar um bom reajuste, e a reposição de perdas causadas pela inflação, a luta do sindicato não é fácil”