vagas-abertas

Após dois meses registrando saldos positivos de empregos formais no Amazonas, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o Polo Industrial de Manaus (PIM) voltou a contratar para atender aos pedidos do comércio para o fim do ano que inicia nesse período.

Montadores e operadores de linhas de produção são as funções mais requisitadas atualmente no Polo Industrial de Manaus (PIM), de acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas (Sindmetal-AM).

Em função da retomada da produtividade das empresas, as vagas operacionais têm sido as mais demandadas, destaca a presidente da  Associação Brasileira de Recursos Humanos do Amazonas (ABRH-AM), Katia Andrade. “A grande maioria das vagas é operacional da parte de produção, ‘chão de fábrica’ e outras são para a parte financeira, justamente porque as empresas estão tendo que fazer o cálculo de custos mais assertivo e apurado”, destaca Andrade.

Para o presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos da Região Norte, Roberto Chagas, as empresas estavam muito ‘represadas’ e começam a se movimentar agora para lançamentos de produtos. “Devem se abrir oportunidades para engenharia, tecnologia, principalmente, na área de produção”, disse.

Com essa movimentação da indústria, o comércio e serviços devem sentir em cadeia, destaca o presidente da ABRH no Norte. “Os setores comércio e serviços acabaram diminuindo seus gastos e, se começar essa reação para o final do ano,  eles vão sentir o dinheiro circulando e mais otimismo, quando a melhora acontece não acontece sozinha”, disse.

Eletroeletrônico é o setor que voltou a contratar no Amazonas, declarou o presidente do sindicato, Valdemir Santana. “As grandes empresas de televisores e celulares são as que estão abrindo vagas, atualmente”, informou Santana. Para o dirigente, as empresas estão preferindo contratar jovens sem experiência. “Dificilmente, contratam os mais velhos de trinta anos, eles preferem promover quem está lá dentro e contratar jovens para substituí-los e com a capacitação interna da própria empresa”, conta.

Currículos

Interessados em preencher uma das vagas da indústria devem levar em consideração as exigências da vaga. “Como há muitos desempregados e as vagas ainda são poucas, as pessoas estão fazendo um currículo muito genérico para abranger várias vagas, o que é um erro de estratégia de recolocação”, aponta a presidente da ABRH-AM, Kátia Andrade.

A dirigente recomenda que o candidato redija um currículo para cada vaga. “O profissional interessado deve pesquisar sobre a empresa e observar nas competências  dele o maior alinhamento com a vaga oferecida e dar mais destaque a essas competências para se sobressair dentre os outros currículos”, orienta Andrade.

Fonte: Jornal Diário do Amazonas