O Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas acendeu o sinal vermelho, no sentido frear a crescente onda de demissões no Polo Industrial de Manaus – PIM. De janeiro a outubro de 2012, houve um acréscimo de 64,54% no número de homologações de rescisões contratuais.
Até outubro, 19.759 pessoas foram demitidas. Em 2011, no mesmo intervalo, o número de demissões foi de 12.030 pessoas, segundo dados registrados no setor de homologações do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas.
Contradizendo os indicadores de aquecimentos nas vendas, fornecido pela Suframa, o setor eletroeletrônico foi o quer mais demitiu, com 2.10 pessoas sendo dispensadas dos postos de trabalho. Em seguida ficou o polo de duas rodas com 1.817 demissões.
De acordo com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Valdemir Santana, as demissões além de não ser normal para essa época do ano, elas estão acima do fluxo esperado para o setor. Segundo o presidente, o setor de duas rodas está passando por uma crise com problemas de vendas, mas os eletroeletrônicos da Sansumg, LG. Eletrônics e Semp Toshiba estão com suas vendas aquecidas. “Não justifica as demissões”, explica.
Valdemir acrescentou ainda, que empresas como a Sansumg e LG, que estão aumentando o faturamento não teriam razão para demitir. “Isso só acontece em empresas que estão com a política de redução de salários. Eles demitem um funcionário que ganha R$ 2 mil para contratar outro por R$ 1 mil”, aponta. “Diante do quadro que se apresenta, o Sindicato vai ter que investigar e acionar o Ministério Público do Trabalho – MPT, para saber quais são os motivos dessas demissões”, finalizou.

Santana disse que não tem justificativa para empresas do PIM demitir 19.759 funcionários de janeiro a outubro desse ano.