Ao longo de 50 anos de história do Polo Industrial de Manaus (PIM), as indústrias na capital têm registrado perdas de vagas incentivadas também pela crise econômica no país. Somente nos últimos dois anos, já são 36 mil postos de trabalho a menos. O momento ainda é de recessão, mas especialistas apostam que a recuperação do Polo Industrial deve iniciar a partir do final de 2017 e, com isso, oportunidades de emprego voltarão a surgir. Até lá, a busca por qualificação profissional continua como sendo importante aliada na busca por vagas, dizem especialistas.

Enquanto os efeitos da recessão não acabam e a geração de empregos não é retomada, profissionais afirmam que o momento é de ampliar a qualificação para quem busca retornar ao mercado de trabalho no setor industrial. Técnico de produção e montadores, além de mecânico ferramenteiro e usinagem são os cargos mais ofertados, atualmente.

“Qualquer momento é momento de qualificação. O momento que estamos vivendo é mais uma opção estratégica e correta de quem faz opção por estudar. Porque sabemos que certamente em algum momento essa crise vai melhorar e sabemos que só vamos sentir os efeitos disso daqui a um ano. A pessoa que está se preparando agora para o mercado de trabalho, olhando, principalmente, no nosso caso a indústria, certamente ela vai sair na frente”, afirmou diretor do Serviço de Nacional de Aprendizagem Industrial no Amazonas (Senai-AM), Rogério Azevedo.

Eletroeletrônica e mecânica figuram entre as duas áreas de formação com maior demanda de postos de trabalho no Polo Industrial de Manaus. Os cursos técnicos de eletrônica, eletrotécnica, instalações elétricas prediais e industriais, além de mecatrônica, automação industrial e mecânica ocupam as primeiras posições na lista de quem vai disputar vagas nas fábricas nacionais e multinacionais em Manaus.

Para Rogério Azevedo, há uma demanda voltada à necessidade das indústrias em Manaus. “Na parte de mecânica, tem toda formação de ferramenteiro para trabalhar na parte de usinagem e no parque termoplástico, na instrumentação, na manutenção de máquinas e equipamentos. Todos eles têm uma demanda direta voltada para necessidade da indústria e no Polo Industrial”, disse.

O presidente do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam),Wilson Périco, também concorda que o período da escassez de vagas será uma oportunidade para o profissional buscar capacitação.

“É preciso que o trabalhador aproveite esse momento para buscar uma qualificação dentro dos cursos que são oferecidos por órgãos que tenham cursos focados na atividade do Polo Industrial. Para que na hora que o mercado reaqueça, o profissional esteja mais preparado para poder conquistar a vaga”, orientou o presidente do Cieam.

Fonte: G1 Amazonas