Manaus, 03 de julho de 2012

O número de demissões no PIM anunciados pelo Sindicato dos Metalúrgicos, não abrange os que tem menos de um ano de trabalho. O Caged confirma balanço negativo na Indústria de Manaus.Concorrência dos produtos importados e a retração na concessão do crédito refletiram nas linhas de produção.

O número de demissões no Pólo Industrial de Manaus (PIM) quase dobrou no primeiro semestre de 2012 na comparação com o ano passado. Foram homologados 12.787 desligamentos de janeiro a junho deste ano nos segmentos Eletroeletrônico, Duas Rodas, Metalúrgico, Componentista, Termoplástico, Químico e demais setores contra 6.630 no mesmo período de 2011, resultado 48,2% superior, conforme dados fornecidos pelo setor de Homologação do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas (Sindmetal/AM).
Os Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), reforçam que a indústria tem contratado menos e demitido mais. Na comparação com maio de 2011 e 2012 as contratações recuaram 30% e as demissões aumentaram 22%. O mês de junho ainda não foi contabilizado pela entidade.
Na lista de empresas campeãs em demissões no Pólo Industrial de Manaus (PIM), a Moto Honda aparece em primeiro lugar com 886 desligamentos. No mesmo período de2011, a empresa havia demitido 476 funcionários. Só em março deste ano, cerca de 178 trabalhadores foram dispensados da maior fabricante de motos do Pólo Industrial.
A crise no PIM tinha sido anunciada há mais de um ano pelo presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Valdemir Santana, nos informativos do Sindicato e ofícios ao governo federal, no sentido de tomarem medidas capaz de reverter a situação, no primeiro semestre de 2012, mas demonstrando preocupação com o restante do ano. “O segundo semestre normalmente é melhor que o primeiro. Tem a questão da sazonalidade e datas como dia dos Pais e Natal. Mas as coisas não acontecem de uma hora pra outra”, disse opresidente do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), Wilson Périco.
Outras empresas que figuram na lista das que mais demitiram são: LG Electronics (548), Elcoteq (369), Electrolux (365) e Samsung (337). Mas os mais preocupantes são os setores que produzem condicionadores de ar, forno micro-ondas, celulares e componentes. A manutenção da volumosa mão de obra, hoje, no Distrito Industrial, é a maior preocupação de todos.