O Movimento Sindical do Amazonas perdeu na última terça-feira, 12/05, Izete Rabelo Rodrigues, vítima da infecção por Covid19. Ela foi uma das mais expressivas lideranças dos trabalhadores rurais do Amazonas, tendo sido dirigente por muitos anos da Federação das Trabalhadoras e Trabalhadores na Agricultura do Estado do Amazonas – Fetagri-AM. Dias antes a Federação havia perdido outro diretor, Edivaldo Lopes de Jesus, conhecido como primo.

No dia 4 de maio passado o sindicalista Edinelson da Gama Viana, de 44 anos, diretor do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Material Plástico faleceu também em decorrência da infecção pelo novo coronavírus.

“São perdas lamentáveis para o movimento sindical”, diz Valdemir Santana, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos e da Central Única dois Trabalhadores (CUT). “Essas pessoas doaram a vida toda pelos trabalhadores de sua categoria e são responsáveis por conquistas importantes, seja dos trabalhadores urbanos ou rurais, como no caso da Izete”, acrescenta Santana.

“Nós lamentamos muito a perda desses companheiros”, diz Francisco Brito de Freitas, presidente do Sindplast-AM. “Cada companheiro que se vai nessas circunstâncias é um baque muito grande para a organização sindical, principalmente porque nos últimos anos o movimento sindical tem estado sob forte ataque”, diz Brito.

“Por mais que nos esforcemos para evitar o contágio, algumas pessoas acabam sendo afetadas, sobretudo as mais vulneráveis. Nós temos insistido a toda hora para os trabalhadores das nossas categorias se protegerem e exigir daquelas empresas que estão funcionando que adotem todas as medidas preventivas para evitar que alguém adoeça no local de trabalho”, destaca Valdemir Santana.

Em meados de abril o Sindicato dirigido por Santana perdeu um dos seus dirigentes, José Osmar, que havia sido liderança destacada na empresa Semp Toshiba.

 

J. Rosha