120132_697x437_crop_577479e41e878Em ano de dificuldades econômicas, o pedido de reajuste para 80 mil trabalhadores do Polo Industrial de Manaus (PIM) é de 12,3%. A informação é do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas (Sindmetal). Os segmentos Eletroeletrônico e de Duas Rodas descartam dar ganho real aos empregados na data-base em 1º de agosto.

As negociações começaram na terça-feira, com uma primeira reunião com representantes das empresas de Duas Rodas, informou o presidente do Sindmetal, Valdemir Santana. O pedido dos trabalhadores é a reposição de 9,3% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de agosto de 2015 a julho de 2016, mais 3% de ganho real. O INPC acumula alta de 9,82% em 12 meses, até maio.

Além do reajuste, a campanha salarial pede uma bonificação produtiva de 50%. Na prática, o trabalhador é recompensado por boa produtividade, no mês de seu aniversário, recebendo seu salário e mais metade do salário. O Sindmetal quer estipular carga horária semanal de 40 horas e pedir licença paternidade de 20 dias e licença maternidade de seis meses. O piso salarial, que hoje é de R$ 1.250, pode subir para R$ 1,6 mil.

Em meio à recessão, o Sindmetal vai manter a pauta em negociação. “Se você olhar os dados da Suframa, houve demissão, em torno de 30 mil, mas as empresas estão produzindo a mesma média com menos funcionários. O setor de motos já começou uma melhora. Se eles não tivessem demitido tanto, ficassem com os 30 mil, poderíamos até pensar em não tentar esse percentual”, disse Santana.

O faturamento do PIM caiu 33,1% nos quatro primeiro meses de 2016, comparado ao mesmo período de 2015. Neste ano, o faturamento do Polo Industrial foi de US$ 6,06 bilhões, segundo os indicadores da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).

O Polo de Duas Rodas, que viu o faturamento encolher 40,8% em 2016, não deve atender a todos os pedidos do Sindmetal. “É um ano extremamente difícil, muito delicado, que não dá espaço, em hipótese alguma, pra ganho real, até porque não teve aumento de produção. Toda a indústria brasileira, o PIM, tiveram redução de produção”, informou o presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Manaus (Simmmem), Genoir Pierosan.

O setor eletroeletrônico, que já recebeu a pauta da campanha salarial, acha improvável que os pedidos sejam atendidos. “A pauta não está dentro da realidade do mercado. Temos que pensar em preservar os empregos e não brigar por reajuste de salário, que pode colocar a situação das empresas numa situação pior ainda”, afirmou o presidente do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), Wilson Périco.

O presidente do Cieam informou que as discussões pela pauta começaram e que as empresas e trabalhadores devem tratar o assunto com responsabilidade e maturidade. “Dificilmente vamos pensar em dar alguma coisa superior (ganho real). Temos que ver se é possível ser feito dentro da realidade. Meu receio é que aquilo que a gente dê em reajuste reflita no número de empregos e isso eu não quero”, disse Périco.

O Polo Eletroeletrônico faturou US$ 1,68 bilhão entre janeiro e abril deste ano, resultado 36,7% menor que no mesmo período do ano passado. O segmento de bens de informática do Polo Eletroeletrônico teve ganhos de US$ 1,13 bilhão, com recuo de 28,8%.

Na campanha salarial de 2015, os trabalhadores pediram 16% de reajuste salarial e conseguiram aumentos de 10% a 11,2%, informou o sindicalista.

O Sindmetal representa até 80 mil trabalhadores dos subsetores Eletroeletrônico, Duas Rodas e Meios Magnéticos do PIM, com data-base em 1º de agosto. Reuniões com os representantes dos segmentos Eletroeletrônico e de Meios Magnéticos devem ocorrer na próxima semana.

Fonte: Diário do Amazonas