show_DO grupo taiwanês New Kinpo acaba de inaugurar no Polo Industrial de Manaus (PIM) a Cal-comp Semicondutores do Brasil (CCBS), que promete ser a maior fábrica de semicondutores (microchips para a indústria de informática) do continente americano em termos produtivos e tecnológicos.

O projeto ambicioso pretende desbancar a concorrência deste segmento no Brasil, onde se destacam mais três empresas localizadas no Sul (Rio Grande do Sul) e Sudeste (Minas Gerais e São Paulo).

A CCBS deve ser a fábrica de maior aporte tecnológico que o modelo Zona Franca de Manaus já recebeu em sua história. A operação prevê investimentos de US$ 105 milhões e a geração de 1.200 empregos até 2019 em Manaus, o que deve ser feito em três etapas. A primeira que começou este ano prevê inicialmente US$ 35 milhões de investimentos e 400 empregos.

A produção inicia com 5 milhões de unidades de microchips por mês, processados por um parque de máquinas de última geração que custam cerca de US$ 1,5 milhão (cada), importados da Ásia, onde se concentra o polo mundial deste segmento de nano e microtecnologia.

A fabricação de semicondutores envolve composição de metais nobres como silício, ouro, prata e cobre, que são importadas da Ásia. A Cal-Comp fabrica componentes de informática para grandes multinacionais do setor como Positivo, Lenovo, Humix, HP, Dell, Samsung, Seagate, Tecnicolor, entre outras.

Os incentivos fiscais do governo federal e estadual para o projeto da Cal-Comp semicondutores foi aprovado em fevereiro de 2015. Também foi possível graças ao Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores e Displays (PADIS), do governo federal.

Fonte: http://www.acritica.com