Índice

Foto: Reprodução

Cerca de 400 funcionários da empresa H-Buster estiveram na manhã de quinta-feira (23) na Assembléia Legislativa do Estado (ALE). Eles foram pedir que os deputados intercedessem junto à empresa para garantir seus empregos e o pagamento dos salários, atrasados há dois meses.

De acordo com o funcionário Alexandre Pinto, os funcionários estão sem receber há dois meses e a direção da empresa não deu nenhuma satisfação para eles. “Quando os funcionários ameaçam fazer greve, a empresa distribui cestas básicas”, afirmou ele.

Alexandre ressaltou, ainda, que 800 funcionários da empresa receberam férias coletivas e outros 200, licença remunerada, mas mesmo nestas condições, seguem sem receber.

Esta é a segunda manifestação que os servidores realizam em uma semana. Na última quarta-feira (16), os funcionários protestaram no Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas (Sindmetal), e apoiados pela entidade decidiram entrar com uma ação judicial contra a empresa.

“Nós temos dívidas acumuladas. Tem gente que quase foi preso porque não pôde pagar a pensão dos filhos. E nem assim a empresa nos dá explicações”, afirmou o servidor do almoxarifado da empresa, Romeu Libório.

O deputado estadual Sinésio Campos, do PT, criticou a postura da empresa. “Esse é um exemplo de uma empresa tenda de cigano. Na primeira crise, sai em revoada pela porta dos fundos”, afirmou ele.

Em nota, a H-Buster informou que aguarda a decisão da Justiça sobre o pedido de recuperação judicial feito no dia 22 de março deste ano.

A companhia comunica ainda que, nos próximos dias, apresentará aos funcionários da fábrica de Manaus uma proposta para o pagamento dos salários não quitados até a presente data.

A H-Buster aproveita para reafirmar sua confiança na aprovação do pedido de recuperação judicial e tem certeza de que o processo, uma vez iniciado, permitirá à companhia superar as dificuldades circunstanciais e continuar sua trajetória no mercado brasileiro de eletroeletrônicos.

Fonte: D24am.com