O Sindicato dos Metalúrgicos recebeu inúmeras denúncias dos trabalhadores da empresa P&G pedindo ‘socorro’ das autoridades para que aconteça uma fiscalização na empresa, onde tem um aglomerado de gente e que não estão seguindo as medidas de controle do coronavírus.

As denúncias falam de pessoas suspeitas de estarem doentes e frequentando o ambiente de trabalho e nem atendendo as recomendações de distanciamento mínimo de 2 (dois) metros entre os trabalhadores nas linhas de produção, carga, descargas, setores administrativos.

Segundo relatos, os trabalhadores reivindicam os cuidados básicos para evitar a propagação do vírus e aglomerações no trabalho, porém a empresa negou e segue com a linha de manter trabalho normal para todos.

O Sindmetal-AM tentou conversar com a direção, através do Sindicato Patronal, mas não conseguiu ter acesso a eles, pois a empresa não tem comando em Manaus, está com a direção em Porto Rico, fora do país.

O Sindicato denuncia que a empresa P&G (antiga Gilette) é um campo de concentração de escravidão nazista.

Mais uma vez as grandes empresas colocam seus interesses no lucro acima da própria vida dos trabalhadores.