A Redução no valor da conta de energia elétrica em 32% para as indústrias e 18% para os consumidores residenciais, prometida pela presidente Dilma Rousseff, para alavancar, entre outras coisas, a oferta de emprego no Polo Industrial de Manaus – PIM, ainda não surtiu o efeito desejado pelos trabalhadores e pelo presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas, Valdemir Santana.
Ao contrário dos empregos a ser gerados pelos milhões de reais economizados na conta de energia, o PIM está demitindo. Amanhã a Samsung disse que vai homologar a rescisão contratual de 200 trabalhadores no Sindicato dos Metalúrgicos. Nos dias 03 e 04 de fevereiro, a Moto Honda deve demitir o mesmo número de seus funcionários. Além dos menores aprendiz, que tem os seus contratos finalizados no início desse mês de fevereiro. A previsão do Sindicato, é que mais de mil trabalhadores sejam demitidos do PIM nesse mês de janeiro.
Para o presidente do Sindicato, Valdemir Santana, é inadmissível que os empresários não usem os seus milhões de reais economizados com energia na contratação de pessoal para as suas linhas de montagem. “Tem empresa, que consome centenas de Megawatts nos fornos ligados 24 horas/dia. Com a redução de 32% no valor do consumo, por menor que seja, já é o bastante para contratar milhares de trabalhadores”, calcula.
Valdemir disse que vai insistir na contratação de trabalhadores, quando a proposta do governo passar a vigorar de fato. “Estaremos fiscalizando de perto. Dentro das fábricas”, avisou. Ele firmou compromisso com os trabalhadores, no sentido de levar ao Ministério do Trabalho e, até à presidência da República, se os empresários não estiverem contribuindo com a geração de empregos, ao serem beneficiados com a redução da conta de energia elétrica.
Para quem não acredita na proposta do governo, Valdemir lembrou a fala da presidenta Dilma Rousseffe, que listou os números do custo benefício para provar que o País tem “toda a energia que precisa” para “crescer e bem” neste e nos próximos anos. Segundo a presidenta, os investimentos feitos “vão permitir dobrar, em 15 anos, a capacidade instalada de energia elétrica no País, que hoje é de 121 mil megawatts”.

Valdemir lembrou a fala da presidenta Dilma Rousseffe, que listou os números do custo benefício para provar que o País tem "toda a energia que precisa" para "crescer e bem" neste e nos próximos anos.