ZFM resiste à crise e celebra 52 anos nesta quinta-feira

//ZFM resiste à crise e celebra 52 anos nesta quinta-feira

ZFM resiste à crise e celebra 52 anos nesta quinta-feira

Manaus – Ao completar 52 anos de atividade, nesta quinta-feira (28), a Zona Franca de Manaus (ZFM) se distancia da maior crise enfrentada pelo País, que afetou profundamente o emprego e o faturamento do Polo Industrial de Manaus (PIM).

De acordo com mais recentes dados dos Indicadores Industriais da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), até o penúltimo mês do ano passado, o PIM faturou R$ 85,7 bilhões, volume que representa um crescimento de 13,90% em relação ao mesmo período de 2017, que somou R$ 75,2 bilhões.

Já o emprego na indústria incentivada de Manaus, que garante a movimentação dos os setores de comércio e serviços, registrou 87.596 trabalhadores, entre efetivos, temporários e terceirizados, até o penúltimo mês de 2018. A média mensal acumulada ficou em 87.974 empregos, o que representa 1,25% de acréscimo na comparação com ano de 2017.

Em um dos mais importantes segmentos do PIM, o de Duas Rodas, a produção voltou a crescer, após sete anos de queda. A atividade nas linhas registrou alta de 17,4% em relação ao ano anterior e setor projeta crescimento com mais de 1 milhão de veículos.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), Marcos Fermanian, Para 2019, conforme o executivo, o setor projeta a produção de 1.080.000 unidades, o que significará uma alta de 4,2% sobre as 1.036.846 unidades fabricadas em 2018.

Para o novo superintendente da Suframa, Alfredo Menezes Junior, a autonomia financeira da autarquia é uma de suas prioridades. O coronel reformado do Exército, que tomou posse no último dia 19, destaca que o objetivo é beneficiar os municípios e Estados da Amazônia Ocidental (Amazonas, Acre, Roraima, Rondônia e Áreas de Livre Comércio do Amapá) conforme idealizado no projeto que criou a ZFM.

Menezes destacou que, durante 17 anos, a Suframa participou de convênios com diversos órgãos municipais e estaduais, o que permitiu obras como o aeroporto de Lábrea, frigorífico de Parintins, ponte no Acre, entre muitas outras. “O nosso objetivo é fazer uma gestão austera, íntegra, moderna, com planejamento e fiscalização. Nesse momento é necessário analisar as mudanças que a sociedade exigiu, nossas empresas estão sentindo já essas mudanças e por confiarem nesse novo modelo de governo, voltaram a investir no Polo Industrial de Manaus”, disse.

Para o gestor, há necessidade do constante acompanhamento industrial com as inovações. “É preciso criarmos condições favoráveis no PIM para que juntos possamos voltar a aquecer a nossa economia, é preciso fazer as coisas acontecerem para desenharmos um bom futuro para o Amazonas, eu quero poder trabalhar para o coletivo, desburocratizando as amarras que nos impedem de crescer.

Já o prefeito de Manaus, Arhur Virgílio Neto, destaca a necessidade de uma revitalização e reformas do parque industrial para atrair novos segmentos para o PIM. “Sugiro que os mandatários pensem em revitalizar nosso parque industrial, reformando sua infraestrutura, investindo em formação de mão de obra, em capital intelectual, em inovação tecnológica. E nos possibilitando atrair novos polos, compostos por produtos que, aqui no nosso quadrado, mal sabemos que já existem.

Defensor do modelo desde quando atuava no Congresso Nacional, como deputado e senador, Arthur Neto destaca que a Zona Franca é responsável pela manutenção de uma grande parte da Floresta Amazônica e da economia do Estado, ao alertar que a ZFM vai entrar no debate nacional, por ocasião da reforma tributária a ser proposta pelo governo federal.

Para o prefeito, com o debate sobre o assunto em âmbito nacional, virão à tona justas razões em defesa da permanência da ZFM, além de pensamentos preconceituosos “que evidenciarão o desconhecimento e alienação de alguns sobre a região mais estratégica do País”. Arthur Neto ressaltou, ainda, a importância de que nos debates não sejam colocados apenas os pontos negativos, mas, sim, sugestões para a recuperação do PIM.

Fonte: Nathalie Moraes / D24am

2019-02-28T12:27:04+00:00 Blog de Notícias|0 Comentários