IMG-20160516-WA0027Reajuste salarial com base no INPC/IBGE integral, 3% de aumento real, produtividade, licença paternidade  de 20 dias e fim da terceirização. Estas foram as principais propostas aprovadas na assembleia realizada nesta segunda-feira (16), na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas (Sindmetal-AM). O próximo passo agora será encaminhar a pauta aos sindicatos patronais e definir o calendário das negociações.

Em meio à crise política e econômica que o Brasil atravessa, provocado pelo golpe  tramado pelos derrotados nas eleições de 2014, os Metalúrgicos do Amazonas realizam, este ano, mais uma Campanha Salarial, em um cenário que exigirá mais habilidade por parte da direção do sindicato nas mesas de negociações.

O presidente da entidade, Valdemir Santana, analisa que, do lado dos empresários, o momento requer sensibilidade para a manutenção de conquistas já alcançadas e, dessa forma, espantar o arrocho e outras mazelas provocadas pela inflação.

Segundo ele, o maior peso da crise recai sobre os trabalhadores, conforme avaliação dos dirigentes sindicais. Cerca de 30% da mão de obra foi demitida nos últimos meses. Para quem continua empregado, aumentou a carga de trabalho, pois um trabalhador tem de assumir duas ou mais funções para suprir a demanda deixada pelos demitidos.

“As empresas querem manter o mesmo nível de produtividade com um quadro mínimo de empregados. Com isso, aumenta o risco de acidentes e de doenças ocupacionais”, declarou Santana.

Por parte dos trabalhadores, para o presidente o momento exige mobilização e uma grande capacidade de negociar exaustivamente evitando, assim, ações mais radicais. “A crise afeta tanto os trabalhadores quanto aos empresários. Todos, portanto, são chamados a  apresentar soluções”, concluiu.