Indústria teme prejuízos com a greve da Receita FederalA liberação de cargas do Polo Industrial de Manaus (PIM) deve ficar lenta com a paralisação parcial dos auditores fiscais da Receita Federal programada para esta quinta-feira. De acordo com o Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal no Amazonas (Sindifisco Nacional-AM), apenas 30% do efetivo de aproximadamente 290 auditores estarão trabalhando nesta quinta-feira (14).

O atendimento ao público também vai ser reduzido, segundo o presidente do Sindifisco, José Jefferson Almeida.

“Vamos manter o atendimento mínimo, toda carga perecível e de itens de primeira necessidade serão liberados. Somente a liberação de cargas não-perecíveis ou fora do padrão podem sofrer com a redução da atividade. O atendimento ao público também será reduzido”, disse. Divididos entre a Alfândega do Porto de Manaus, Aeroporto Internacional Eduardo Gomes e a Delegacia da Receita Federal em Manaus, há aproximadamente 290 auditores.

No País, o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco) decidiu que a partir de quinta-feira os auditores  entrarão em operação padrão por tempo indeterminado. A paralisação acontecerá duas vezes por semana, às terças e quintas.

A categoria alega descumprimento do acordo salarial fechado no fim de março. O governo ainda não informou quando enviará ao Congresso o projeto de lei que reajusta as remunerações e atende a outras reivindicações não salariais.

Os auditores recebem, em média, R$ 13 mil de salário, mas pedem a equiparação com os rendimentos dos delegados da Polícia Federal que recebem R$ 18 mil, em média.

A paralisação vai afetar as operações de importação e exportação das empresas do PIM e de qualquer outro porto ou aeroporto, destaca o vice-presidente da Federação das Indústrias do Amazonas (Fieam), Nelson Azevedo.

“Agora é mais um fator para agravar a situação que já está muito ruim”, criticou Azevedo ao destacar que a indústria é uma das mais prejudicadas. “Aqui produzimos bens de consumo duráveis, como motocicletas e bens de informática, enquanto a população só está adquirindo gêneros de primeira necessidade”, disse.

Fonte: d24am.com