A Flextronics International Tecnologia Ltda, além de usar bancos feitos com sobras de caixas plásticas, ainda espalha nas indústrias a informação de que o Sindicato fez acordos de calendário de trabalho. “A empresa está mentindo”, diz o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas, Valdemir Santana.

O sindicalista vem batendo forte na direção da fábrica Flextronics a anos, mas eles insistem em abrir turnos de trabalho nos feriados, como: Dia dos Finados, sexta feira da Paixão, Dia da Pátria, Dia 12 de Outubro e, outros que devem ser resguardados pelos trabalhadores de todo o Brasil.

Está virando rotina o Sindicato parar a fábrica por causa da exploração

 

“O Sindicato não aceita e nem assina autorização para a fábrica abrir turnos de trabalhos nestas datas santas e dias nacionais”, destaca Valdemir, até porque é proibido fazer este tipo de acordo com empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM).

Valdemir confirmou que a “resposta” para a Flextronics está a caminho e, que ela não perde por esperar. Outra questão, é que os Metalúrgicos não vão aceitar que empresas de menor porte copiem as ‘maldades’ das grandes.

Samsung

De acordo com Valdemir, a Flextronics resolveu copiar o que existe de pior da Samsung da Amazônia. As duas agora mentem sobre ‘calendário de trabalho’ e transformaram as relações de trabalho no PIM em mercado de semi-escravos, com baixos salários, exploram ao máximo a mão de obra e expõem o trabalhador a jornadas estafantes e humilhações.

Valdemir disse que estas empresas não agiam assim, mas desde que vieram gerentes coreanos de fábricas paulistas, a situação piorou com a tentativa de rasgar Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) e todas as decisões tomadas de forma autoritárias, como se eles não tivessem que prestar contas do que fazem com o quadro de funcionários, ao Sindicato da categoria.

Movimento Mulheres

Na terça feira 08, Dia da Mulher, a Central Única dos Trabalhadores (CUT-AM), fará uma grande manifestação na Bola da Suframa, a partir das primeiras horas da manhã, contra “o governo da morte” – governo Bolsonaro e suas medidas para acabar com a Zona Franca de Manaus (ZFM).

Neste dia, os Metalúrgicos vão aproveitar para dar uma mostra do que o Sindicato é capaz de fazer, quando empresas tentam explorar os trabalhadores, quando tentam atropelar o que ficou acertado em Convenção Coletiva de Trabalho e tentar transformar o Distrito Industrial em uma ‘pseuda senzala coreana’.

 

FONTE: CORREIO DA AMAZÔNIA