Os profissionais técnicos em áreas específicas do Polo Industrial de Manaus ganham mais que professores universitários no Amazonas.

Mais valorizada que um curso superior, a formação técnica tem oferecido bons salários nas fábricas do Polo Industrial de Manaus (PIM). Um técnico em solda do Distrito Industrial, por exemplo, chega a ganhar, em média, entre R$ 4 mil e R$ 5 mil por mês, o dobro de um professor municipal de educação, que tem piso salarial de R$ 2.445,27 para 40 horas semanais.
Segundo o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas, Valdemir Santana, existem técnicos que ganham tanto quanto engenheiros e muitos buscam especializações na área que trabalham para aumentar, ainda mais, as suas rendas. Para Santana, além dos técnicos em solda, a procura é maior por profissionais da área técnica em eletrônica, cuja remuneração pode ficar em torno de R$ 3 mil ou mais. O valor está acima, inclusive, de outras profissões com exigência de curso superior, como é o caso de agente publicitário, que tem salário inicial médio de R$ 1,2 mil.
Santana afirma que os profissionais mais bem sucedidos no PIM, normalmente, são os que fizeram cursos técnicos. Hoje, os trabalhadores já compreendem que o curso técnico é uma boa opção. “Os gastos com esses cursos, em muitos casos, são muito mais baratos que os de uma faculdade”, explicou.
A necessidade por técnicos em mecânica para o Polo de Duas Rodas, é grande. Os técnicos em mecânica são os mais solicitados. Hoje, existe um número de vagas maior do que de profissionais capacitados. Segundo dados do sindicato, além da área de produção, outros setores como: o administrativo, analista fiscal e contábil, sofre com a falta de técnicos especializados.