02Na manhã desta sexta-feira, (29), sindicalistas e trabalhadores de todas as regiões do país atenderam à convocação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e demais centrais sindicais e protestaram contra a terceirização ilimitada, a redução de direitos e o ajuste fiscal. Em Manaus, a manifestação foi pacífica.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas (Sindmetal) e da CUT-AM, Valdemir Santana, disse que esse manifesto é rumo à Greve Geral em Defesa dos Direitos e da Democracia. “Continuaremos a pressão contra a aprovação do PL 4330, que retira direitos de todos os trabalhadores ao permitir a terceirização sem limites, em todas as funções de qualquer empresa e setor”, declarou Santana.

Sobre os últimos casos de mortes de trabalhadores em canteiros de obras da construção civil em Manaus, o sindicalista Abel Magalhães declarou: “Justamente as pessoas que morreram foram trabalhadores terceirizados, que além de trabalharem sem segurança, não tem benefícios para eles e nem para a sua família”.

Para Santana, a terceirização só interessa aos empresários, que se utilizam desta prática criminosa que precariza ainda mais relações de trabalho, reduz salários e aumenta os riscos de acidentes e mortes no trabalho, com o único objetivo de aumentar ainda mais seus lucros à custa dos trabalhadores.