Solaney discursou no Plenário de alto nível. Conferência termina hoje (10). Foto: Reprodução

Solaney discursou no Plenário de alto nível. Conferência termina hoje (10). Foto: Reprodução

O secretário de Políticas Sociais da CUT, Expedito Solaney, discursou em nome dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil durante o Plenário de alto nível na III Conferência Global sobre Trabalho Infantil. Esta é a primeira vez em que um país de fora da Europa recebe o encontro.

Solaney cobrou em sua intervenção que “a declaração final reafirme o compromisso de erradicar toda forma de trabalho infantil e convocar os governos a se comprometerem com o fortalecimento do Estado, com as políticas públicas sociais, com o Estado de bem estar social, com um Estado forte”.

O dirigente da CUT também falou sobre a atual legislação brasileira e das convenções nas quais o País é signatário. Ressaltou que apesar de o Brasil ser hoje a sexta economia do mundo, ainda tem um grande contingente de crianças e adolescentes que trabalham para sobreviver e/ou ajudar na renda familiar. “Esse é o reflexo mais cruel do subdesenvolvimento, da concentração de renda, dos resquícios da colonização, do patrimonialismo, do modo de produção capitalista”, disse.

Ele citou a intervenção da presidenta Dilma Rousseff na abertura da Conferência sobre o enfrentamento da crise econômica. Para Dilma, os governos não devem promover uma política de austeridade e, sim, uma política econômica que gere empregos, que proteja seus postos de trabalho e os trabalhadores, que garanta mais políticas sociais.

Segundo o diretor geral da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Guy Rider, que também esteve na abertura da Conferência, cerca de “11% da população mundial – 168 milhões de crianças – trabalham, sendo que metade deste contingente está submetida às piores formas de trabalho infantil”.

O evento que começou na terça-feira (8) termina hoje (10). O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa do encerramento, quando falará sobre “Formas de Acelerar a Erradicação do Trabalho Infantil”.

Participam da Conferência 156 países, com representantes dos trabalhadores, governos, empregadores e ONGs. Foram reservadas 10 vagas para o grupo dos trabalhadores no Brasil. Além de Solaney, participam pela CUT o diretor executivo, Antônio Lisboa, uma companheira da CNTE e um companheiro da CONTRACS.

Fonte: CUT Nacional