Manaus, 07 Setembro 2012 – Dados do IBGE diz que a indústria amazonense registrou o pior resultado de abril de 2009 a setembro desse ano. A entidade aponta que o Estado registrou uma queda de 14,9% até julho de 2012 em comparação com o mesmo mês do ano passado, o quarto resultado negativo consecutivo nesse tipo de confronto e a maior retração do País.
Nos primeiros sete meses do ano, o setor industrial recuou 7,6%, a maior queda do País, e acentuou o ritmo de desaceleração frente ao fechamento de igual período do ano passado. Dentre as 11 atividades pesquisadas, oito apresentaram redução na produção, uma queda pressionada pela concessão de férias coletivas em empresas. “Nesses setores, destacaram-se, respectivamente, os recuos na fabricação de motocicletas e suas peças, telefones celulares e televisores, gasolina automotiva, óleo diesel e outros óleos combustíveis, e discos de vídeos (DVD) e CDs.
Os números negativos vieram do setore de material eletrônico, aparelhos e equipamentos de comunicações (-16,6%), refino de petróleo e produção de álcool (-73,7%), conforme o instituto, “por conta da paralisação para manutenção em unidades produtivas”, além do segmento de edição, impressão e reprodução de gravações (-14,1%).
Ainda de acordo com o IBGE, as influências positivas vieram dos setores de alimentos e bebidas (10,0%) e de máquinas e equipamentos (14,7%) impulsionados, principalmente, pelo avanço na produção de preparações em pó e em xarope para elaboração de bebidas e refrigerantes, no primeiro ramo, e fornos de microondas e condicionadores de ar, no segundo”, explica o IBGE.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia – IBGE, as fábricas do PIM tiveram redução de 14,9% na produção.