Fábrica Escola: uma meta do Sindicato dos Metalúrgicos

Manaus, 28 de junho de 2012
O diretor de comunicação do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas, Sidney Malaquias, anunciou agora a pouco, que a diretoria do Sindicato evitou a demissão de mais de dois mil funcionários do Pólo Industrial de Manaus – PIM, em 2012, ao negociar a adesão à proposta de suspensão temporária de trabalho com empresas, entre elas, a Salcomp, Crimazon, Brastemp, Semp Toshiba. Essa proposta é assegurada pela Legislação Trabalhista.
Durante o período de suspensão temporária, no entanto, o trabalhador é “obrigado” a freqüentar cursos de qualificação de acordo com as necessidades funcionais de cada empresa, mas, em compensação, tem direito ao seguro desemprego e todos os benefícios garantidos aos funcionários da ativa, como: assistência médica, PLR, cesta básica (se existir).
Malaquias disse ainda que se o salário do trabalhador estiver acima do teto máximo pago pelo seguro desemprego, o Sindicato se dispõe a negociar a diferença, de modo que, o trabalhador não sofra redução dos seus ganhos e perca poder de compra. Independente das medidas compensatórias, é importante que o trabalhador esteja atualizado, qualificado e ciente das exigências de capacidade técnica do mercado de trabalho.
Essas medidas foram adotadas em 2009, quando o PIM passou por problema de desabastecimento, por conta de greves de funcionários da receita e de queda nas bolsas de alguns países do continente asiático, que indiretamente refletiram na economia do nosso País e na indústria amazonense.