“A direção da Jabil foi desleal com os trabalhadores e o Sindicato da categoria”, avaliou Malaquias.

Foram 100% dos trabalhadores da Jabil Industrial do Brasil Ltda parados das 6:20h às 7:10h nessa manhã do dia 22 de julho. A paralisação faz parte do movimento de conscientização promovido pelo Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas junto aos trabalhadores do Polo Industrial de Manaus, no processo de aprovação da pauta da Campanha Salarial de 2013.

Além de mostrar o “caminho das pedras” para chegar ao patamar de 17,5% de reajuste salarial, a diretoria do Sindicato resolveu falar da decisão errada, da Jabil, em demitir mais de 400 trabalhadores na semana passada, alegando perda de contrato de clientes.

Para o diretor de comunicação dos Metalúrgicos, Sidney Malaquias a justificativa da Jabil é falha. Segundo ele, o Sindicato está amparado na Lei, que garante a suspensão de trabalho de 60 a 150 dias (nesse intervalo, o trabalhador pode fazer curso profissionalizante com salário garantido pelo FAT – seguro desemprego). “A direção da Jabil foi desleal com os trabalhadores e o Sindicato da categoria”, avaliou Malaquias.

A demissão de 400 trabalhadores da Jabil está sendo vista pela diretoria do Sindicato como manobra para fugir da responsabilidade de formação profissional dos seus funcionários e para forçar a redução da folha de pagamento, quando tiver que negociar a pauta de reivindicação da Campanha salarial 2013.